Os primeiros a modificar geneticamente o trigo foram os egípcios

Manipulações genéticas que se acredita serem mais típicas desses tempos já foram feitas pelos egípcios centenas de anos atrás. Um exemplo disso é a modificação genética do trigo, uma das culturas essenciais desta cidade (peça chave de sua civilização) que permitiu que várias gerações alimentassem vários milênios. Este e outros mistérios do Egito motivam milhares de turistas a visitar o país, a se maravilhar e descobrir as peculiaridades de uma das cidades mais importantes da história da humanidade.

Eles confirmaram que os egípcios conseguiram desenvolver uma nova variedade, resistente e adaptada ao clima de suas terras.

Trigo e sua importância em todo o Mediterrâneo

Los egipcios modificaron el trigo genéticamenteDesde a revolução neolítica, as atividades de pequenos grupos humanos, como coleta ou caça, ficaram em segundo plano, sendo a agricultura a principal fonte de subsistência para muitos povos. Culturas como o trigo permitiram estabelecer e desenvolver concentrações humanas duradouras, o que levou a grandes civilizações em todo o Mediterrâneo, como o egípcio. O trigo no Egito antigo era tão importante que especialistas do University College, do CRAG “Centro de Pesquisa em Agrigenômica” em Barcelona e do Museu de História Natural de Londres confirmaram que os egípcios conseguiram desenvolver uma nova variedade, resistente e adaptado ao clima de suas terras.

Uma excelente oportunidade para adaptar as culturas a climas extremos

A importância desse achado é de grande importância para a comunidade científica de todo o mundo, preocupada em encontrar culturas resistentes a novos tempos. O Egito agora não é apenas famoso por oferecer cruzeiros de luxo ao longo do rio Nilo ou por suas famosas pirâmides e museus. Agora, ao viajar pelo Egito, muitas pessoas serão capazes de entender o sucesso e a importância dessa civilização em um território deserto, com o Nilo como o único apoio. As variedades de trigo desenvolvidas pelos egípcios, das quais parte de sua sequência genética foi perdida, podem ajudar a desenvolver culturas mais resistentes, melhor adaptadas às mudanças climáticas em muitos países.

Se for possível encontrar todas as chaves do trigo egípcio antigo, é muito possível que seja possível investigar culturas resistentes ao clima do deserto, a pragas e à ausência de umidade. É capaz de crescer em solos pobres e com água escassa. Visitar alguns dos melhores circuitos do Egito e entender como eles tiraram proveito dos poucos recursos que possuíam, ajuda a ter uma idéia global sobre essa grande civilização, que durante anos dominou essa parte do Mediterrâneo, com uma agricultura eficaz, com culturas como Trigo de grande força e qualidade.

Subir